Brasileiro coordena projeto alemão de mapeamento 3D da Terra

Um projeto da agência espacial da Alemanha mapeou pela primeira vez a Terra em alta definição. O estudo vai servir para entender as transformações que nosso planeta sofre ao longo do tempo. Tudo coordenado por um brasileiro.

Em 2016 mais de 100 mil pesquisadores terão acesso aos dados topográficos do projeto TanDEM-X: O mapa 3D da Terra. O projeto, considerado o mais arriscado do mundo, é comandado pelo Engenheiro Eletrônico Alberto Moreira, Diretor do Instituto de Micro-ondas e Sistema de Radares do Centro Aerospacial Alemão (DLR) - o equivalente da NASA na Alemanha.

A complicação, a que se refere os cientistas, não está propriamente na tecnologia, mas sim na idéia : emparelhar dois satélites alemães de 125 milhões de euros a 514 km de altitude a 28 mil km/h. Uma das manobras mais ousadas da corrida espacial em todos os tempos.

Foram 3 meses até que a trajetória dos satélites TerraSAR-X e TanDEM -X (que dá nome ao projeto) se alinhassem para cumprir o propósito de criar o mapa 3D da terra com resolução sem precedentes. Após quatro anos de coleta de imagens e 2,5 mil terabytes produzidos, os mais de 150 pesquisadores comandados por Alberto, já montaram 70% do mapa e os 30% restantes estão na fase de renderização.

Para mapear a terra em 3D, os dois satélites trabalham como nossos olhos, juntando duas imagens levemente diferentes em uma só - garantindo a noção de profundidade. Um dos satélites vai à frente, transmitindo micro-ondas que mapeiam a superfície e voltam para o satélite. O segundo vem atrás capturando o sinal. A órbita helicoidal (com os satélites se cruzando de tempos em tempos) foi a configuração mais segura e simples para permitir que a terra fosse coberta de forma homogênea.

Áreas como a hidrologia, geologia, oceanografia, inteligência militar, exploração de petróleo e gás, agricultura, engenharia civil, planejamento urbano e gestão de crises em casos de catástrofes naturais, serão diretamente beneficiadas com o projeto.

“A visão é que no futuro vão existir constelações de satélites, não só dois, mas três, quatro, até 10 voando em formação. A imagem não será topográfica, será tomográfica, como na Medicina. Vamos fazer uma tomografia da floresta, por exemplo, e entender o que está acontecendo até o chão. É uma perspectiva espetacular”.

Alberto Moreira, engenheiro espacial.

Nascido em São José dos Campos em São Paulo, Alberto saiu do ITA (Instituto Tecnológico Aerospacial ) direto para o DLR com bolsa de estudo. Dessa fase, levou para Alemanha o gosto pelo triatlo. Quando não está "pilotando" satélites, Alberto nada, pedala e corre com outros cientistas em uma competição criada por ele em 1992 e que já faz parte do calendário esportivo do Instituto.

O próximo projeto, em parceria com a NASA, será o TanDEM-L, voltado para o estudo clima no planeta. É a engenharia brasileira dando o tom da inovação na área de tecnologia e espaço.

GEORREFERENCIAMENTO DE IMÓVEIS RURAIS

marca_analisegeo.png
MAIS RECENTE:
MIGUEL NETO

Autor

 

Engenheiro Cartógrafo, com MBA em Auditoria e Gestão Ambiental. Palestrante e professor de Pós-Graduação em Geotecnologias e de Capacitação em Georreferenciamento de Imóveis Rurais. Membro do Comitê  Regional de Certificação de Imóveis Rurais. Saiba mais...

Inscreva-se

E FIQUE ATUALIZADO
Miguel Pedro da Silva Neto

    AnáliseGeo.Blog © 2016. Todos os direitos reservados.
    DuasIdeiasWix.com

    This site was designed with the
    .com
    website builder. Create your website today.
    Start Now